Defensoria Pública alerta para superlotação no Cenam e cobra solução da Fundação Renascer

Os defensores públicos do Núcleo da Criança e do Adolescente da Defensoria Pública do Estado de Sergipe, Karine Neri, Daniel Souza e Rachel Scandian se reuniram com o presidente da Fundação Renascer para tratar sobre a superlotação do Centro de Atendimento ao Menor (Cenam). Também esteve presente na reunião o defensor público Sérgio Barreto Morais, que atua na 18ª Defensoria Pública Infracional da Infância e da Juventude da Comarca de Aracaju.

A unidade – que tem capacidade para abrigar 65 adolescentes – conta hoje com 193 internos, contrariando, desta forma, o que determina o Estatuto da Criança e do Adolescente e as normas do Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo (Sinase).

Para a defensora pública e coordenadora do Núcleo da Criança e do Adolescente, Karine Neri, o Cenam é um verdadeiro barril de pólvora prestes a explodir. “A Unidade se encontra com mais do que o dobro de adolescentes que sua capacidade permite, e isso torna o ambiente propício a rebeliões e revoltas por parte dos adolescentes, uma vez que, da superlotação decorrem diversas violações aos direitos dos menores internados. Nós estivemos no Cenam e verificamos que os adolescentes estão amontoados nas alas, que não há roupa de cama, de banho e de uso pessoal para todos os internos. Além disso, os menores estão sem atividades pedagógicas, uma vez que as salas de aula foram transformadas em alojamentos, dado o excessivo número de meninos internados. A situação é crítica e são necessárias medidas urgentes”, alerta.

Segundo o defensor público, Daniel Souza Faria, foi constatado pelo Núcleo da Criança e do Adolescente a flagrante ilegalidade da situação que viola as normas específicas previstas na legislação brasileira, sem mencionar os tratados internacionais de direitos humanos que o brasil ratificou. “É inadmissível que o Cenam continue recebendo mais internos, sob pena de agravamento da situação”, ponderou.

“O país está passando por um momento delicado com diversas rebeliões nos presídios e essa situação no Cenam é propícia para uma tragédia”, alertou o defensor público, Sergio Barreto.

A professora e presidente do Conselho Estadual da Criança e do Adolescente, Josevanda Franco, descreveu o cenário das unidades socioeducativas e destacou a importância da Defensoria Pública na solução do problema.

“Hoje eu posso descrever o Cenam como um cenário insustentável não apenas por conta da superlotação, mas também pelo equívoco da colocação de adolescentes cujo ato infracional não justifica a privação de liberdade. Na USIP a situação se agrava com a prorrogação dos 45 dias da provisória. O sistema socioeducativo está sobrecarregado e a Defensoria Pública é uma instituição importante no sistema para garantir a seguridade dos direitos das crianças e dos adolescentes. Considero muito significativo que a Defensoria tenha se mobilizado para, além de suas atribuições cotidianas, ajudar nesse momento e comprometida em assegurar o direito das pessoas”, pontuou Josevanda.

Para a representante do Conselho, é importante que as instituições como Defensoria Pública e outras assegurem os direitos preconizados no Sinase. “O importante é que nós conseguimos mobilizar outros segmentos da rede de proteção para que possamos junto ao Governo do Estado, Fundação Renascer, Defensoria Pública, Conselho Estadual da Criança e do Adolescente, Tribunal de Justiça, Ministério Público e outras instituições com o intuito de assegurar o que preceitua o Sinase e a legislação para que todas as medidas sejam adotadas como a reavaliação dos processos e antecipação de audiências”, avaliou.

O presidente da Fundação Renascer, Wellington Mangueira, garantiu que irá conversar com o governador Jackson Barreto para que o Cenam não receba mais internos até a conclusão da reavaliação dos processos.

“A Defensoria Pública está envidando todos os esforços para convencer o Judiciário de que a superlotação decorre também da dificuldade de analisar as situações dos internos. Existem garotos que já estão com mais de 45 dias apreendidos sob a custódia do Estado, quando a lei diz que não pode passar de 45 dias. Temos que encontrar uma solução para resolver a questão da superlotação, por isso, estamos empenhados com a Defensoria e demais instituições”, ressaltou Mangueira.

“O Governo está fazendo tudo que é possível, construindo uma nova unidade socioeducativa com padrões modernos, inclusive a mais moderna da América Latina. Estamos diante de uma crise muito grande que se alastra por todo país e temos que nos antecipar aos acontecimentos e o governador com certeza irá compreender e encontrar uma solução”, completou Mangueira.

Karine Neri disse que o Núcleo da Criança e do Adolescente iniciará um mutirão para analisar os processos dos 193 menores que se encontram no CENAM. “Serão tomadas as medidas judiciais cabíveis à situação individual de cada adolescente. Com a revisão dos processos, conseguiremos identificar os casos mais graves como, por exemplo, internações decorrentes de condenações por furto de chocolate, internação-sanção por prazo superior a três meses, adolescente com problemas mentais ilegalmente internados, entre outros”, garantiu.

Superlotação – A capacidade do Cenam é para 65 internos e abriga 193, já a USIP é para 45 e conta hoje com 96 menores.

Participaram também da reunião a presidente do Conselho Estadual da Criança e do Adolescente, Josevanda Franco; o diretor operacional da Fundação Renascer, Antonio Carlos Viana; o diretor do Cenam, Júlio Reis; a diretora da USIP, Aidil Vaz e a técnica do Cenam, Marli Silveira.

Check Also

Havan vai inaugurar loja em Aracaju no dia 17 de junho

Havan vai inaugurar loja em Aracaju no dia 17 de junho ECONOMIA em 8 jun, 2021 ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.