OPINIÃO – Projeções políticas para a sucessão de Estância em 2020

1187395ee7272c6d

[*] Álvaro Siqueira

Com o eleitorado cada vez mais independente, consciente e exigente, os pleitos eleitorais tendem cada vez mais a ficarem acirrados, o que não será diferente em Estância na próxima sucessão municipal, que se dará em outubro do próximo ano.

Farei aqui uma análise com um raio-x que as urnas deixaram nas eleições de 2016 e 2018, e o que poderá estar por vir em 2020. Nesse primeiro momento, a um pouco mais de um ano para a peleja, dissecarei através de números e vocês farão suas contas de quem terá maiores chances de vitória.

Em 2016, o atual prefeito Gilson Andrade, PTC na época e hoje sem partido, em uma dobradinha com o ex-prefeito Ivan Leite, que indicou sua esposa Adriana Leite como candidata a vice-prefeita, galgou êxito, obtendo 14.405 votos – o equivalente a 41% dos válidos.

Em seguida, apareceu o então concorrente à reeleição, o prefeito Carlos Magno, PSB, com 11.149 votos – ou 32% dos válidos aproximadamente. Em terceiro lugar, veio o militar Márcio Souza, do PSOL, com surpreendentes 9. 556 votos, que equivaleram a 27,06% e, em último lugar, Titó, com 201 votos.

Naquele pleito, a Cidade do Barco de Fogo tinha 45.834 votantes aptos, dos quais 10.523 não optaram por nenhum dos candidatos, o que, se fosse mais um concorrente, ficaria na frente do candidato do PSOL.

Para termos uma ideia mais clara do que está por vir, quando levamos em consideração os números absolutos e calculamos brancos, nulos e não votantes, o percentual do atual prefeito cai para aproximadamente 32%, seguido por Carlos Magno com 24%, brancos, nulos e não votantes, 23%, e Márcio Souza, 21%. Um fator a ser levado em consideração é que o atual prefeito não obteve 50% dos votos válidos.

Uma pergunta inevitável: será que hoje esse índice se mantém o mesmo? Será que aumentou ou diminuiu? Em 2018, já com 47.471 eleitores aptos, os mesmos grupos se enfrentaram mais uma vez.

O do prefeito, na figura do então senador Eduardo Amorim, PSDB, que concorreu ao Governo do Estado obtendo em Estância 8.118 votos – 28,25% -, seguido de Márcio Souza, PSOL, com 7.929 votos – 27,59% -, Belivaldo Chagas, 7.350 – 25,58% -, e Valadares Filho, 3.371 votos, ou 11,73% dos válidos.

Portanto, essa prévia de 2018, com todo esse equilíbrio, nos traz uma ideia do que está por acontecer: eu mesmo creio que teremos quatro candidaturas competitivas, com plenas chances de galgar êxito em 2020, quando, pelas projeções das últimas eleições, teremos aproximadamente 50 mil eleitores estancianos aptos a votar.

Aqui esboço algumas provocações: será que o casamento político Gilson Andrade/ Ivan leite permanecerá em 2020? O grupo do governador Belivaldo Chagas lançará algum nome para o Executivo Municipal estanciano? Será que o deputado federal Valdevan Noventa também lançará algum nome para o Executivo, ou irá acompanhar algum outro grupo?

E faço mais: o PSL de Estância lançará mesmo um padre? O PSOL, PSB, PT e o PDT sairão realmente juntos, como conjecturou Márcio Souza em entrevista a essa Coluna Aparte? Como a política é uma atividade dinâmica, convém relembrar aqui o ditado de que cautela e caldo de galinha não fazem mal a ninguém. Portanto, que venha 2020 para podermos tirar a prova desse nove.

[*] É funcionário público e estudante de Serviço Social.

site jlpolitica

Check Also

           Claudio Vasconcelos recebe convites de partidos para filiação em Estância

  “dependo dos meus apoiadores para juntos ingressarmos no melhor caminho para concretização do projeto ...