MOBILIZAÇÃO | Policiais civis fazem reivindicações ao Governo de Sergipe e dialogam com a sociedade durante ato na Central de Flagrantes

Diálogo com a população e policiais civis unidos em frente à Delegacia Plantonista Norte (Central de Flagrantes). Esse foi o cenário que marcou a manifestação pública conduzida pelo Sindicato dos Policiais Civis do Estado de Sergipe (Sinpol/SE) na noite desta quinta-feira, 13.

Agentes, escrivães e agentes auxiliares estiveram novamente reunidos para apresentar as principais reivindicações da categoria ao Governo de Sergipe, como ausência de reposição inflacionária (concedida recentemente a outras categorias de servidores públicos estaduais); ausência de revisão salarial há mais de seis anos; não previsão de uma reestruturação dos cargos que integram a base da Polícia Civil, ou seja, a não aprovação do projeto Oficial de Polícia Civil (OPC).

“Tivemos a oportunidade de dialogar com os cidadãos que compareceram para realizar boletins de ocorrência e mostramos que nosso interesse não é prejudicar a população, e sim alertar o governador Belivaldo Chagas para a necessidade de que seja aberto diálogo direto com a categoria, para entender os problemas que estamos passando e resolvê-los. Neste primeiro momento, estamos em fase de mobilização, de alerta, mas ainda acreditando no diálogo. Sabemos que a categoria pode definir por paralisação nos próximos dias se não houver nenhum tipo de negociação, mas estamos esclarecendo à sociedade que estamos juntos e do mesmo lado. Foi uma oportunidade também de reforçar ao cidadão que os gestores do estado de Sergipe ainda não contam com políticas públicas eficientes e planejamento eficaz para combater a expansão da criminalidade e violência em Sergipe”, destacou Adriano Bandeira, presidente do Sinpol/SE.

Durante a manifestação, pessoas da comunidade entraram normalmente na Delegacia Plantonista Norte e registraram as respectivas ocorrências. “Nossas mobilizações priorizam atos pacíficos, irmanados com a sociedade e destacando que os policiais civis estão no limite do tolerável no tocante ao descaso do Governo de Sergipe. Estamos trabalhando nas delegacias dos 75 municípios, dialogando com a categoria e conhecemos as expectativas similares de cada policial civil e suas famílias. Queremos respeito, valorização profissional e temos trabalhado muito para provar que temos dado resultado. Mas a contrapartida de todo esse empenho e dedicação profissional infelizmente ainda não chegou”, reforçou Adriano Bandeira.

Palácio dos Despachos

Na quarta-feira, 19, às 7h, os policiais civis estarão novamente reunidos em um café da manhã na frente do Palácio dos Despachos com o objetivo de chamar a atenção do governador Belivaldo Chagas para os graves problemas que a categoria vem passando há mais de seis anos, onde o mesmo grupo político permanece comandando Sergipe.

“Será um novo momento de dialogar com a sociedade, apontar nossas reivindicações e destacar os prejuízos que o cidadão terá com uma possível paralisação dos policiais civis em Sergipe. A valorização do nosso trabalho muitas vezes surge apenas quando deixamos de prestar os nossos serviços ao cidadão e esse não é o nosso desejo. Esse possível prejuízo dos serviços prestados ao cidadão não poderá ser colocado na nossa conta”, finalizou Adriano Bandeira.

Check Also

           Claudio Vasconcelos recebe convites de partidos para filiação em Estância

  “dependo dos meus apoiadores para juntos ingressarmos no melhor caminho para concretização do projeto ...