Central de Mediação da Defensoria Pública beneficiou mais de 4 mil pessoas em 2016

Mais de 95% dos casos foram mediados e solucionados extrajudicialmente

Conflitos familiares diversos, divórcio, pensão alimentícia, guarda e visitas são alguns dos casos solucionados pela Central de Conciliação e Mediação da Defensoria Pública do Estado de Sergipe, que vem alcançando um índice de 95% de êxito na solução extrajudicial.

Somente em 2016, foram beneficiadas cerca de 4 mil pessoas e 1,5 mil casos resolvidos através da  mediação, que atualmente é realizada por uma única equipe da Defensoria formada por um defensor público, uma assistente social e uma psicóloga.

Segundo a defensora pública e coordenadora da Central, Isabelle Peixoto, cerca de 90% dos casos mediados envolve relações familiares. “A mediação é um meio de resolução de conflitos que busca a humanização, uma vez que parte da vontade dos próprios envolvidos as soluções para as suas controvérsias, sendo os mesmos os protagonistas para o êxito das questões”, disse.

Dos acordos realizados, apenas 4% retornam para eventual revisão ou execução. “O nível de comprometimento e satisfação das partes envolvidas é bem maior na mediação. A Defensoria Pública exerce assim o seu papel de pacificadora social. O alto grau de satisfação dos assistidos com o resultado é visível e gratificante”, pontuou Isabelle.

Isabelle Peixoto explicou que tudo é feito através de um processo de diálogo e reflexão. “Buscamos solucionar o problema das partes em um contexto colaborativo e não adversarial, ou seja, não pode ser uma disputa e sim uma soma. Há casos, inclusive, que para alcançar um resultado mais qualificado e duradouro, a Defensoria mantém o acompanhamento dos mediandos com psicoterapia breve e até visitas domiciliares, que são realizadas por psicólogos e assistentes sociais da própria Instituição, de forma gratuita”, enfatizou.

Além dos casos relacionados à pensão alimentícia; divórcio; união estável; partilha de bens; extinção de condomínio; tratativas introdutórias para processo de sucessão como inventário e partilha; relação entre irmãos, pais e filhos, a Central abraçou também o projeto Ser Pai é Legal.

 “O projeto Ser Pai é Legal disponibiliza gratuitamente para os assistidos exames de DNA e, sendo positivo o resultado, é realizada imediatamente, após a abertura do exame, a mediação para dirimir questões como o registro da criança, regulamentação de pensão, guarda e regime de visitas. Tudo é feito em uma só sessão, realizada em no máximo 50 dias após a realização do exame. Se fosse através do processo judicial de investigação de paternidade poderia levar em média um a dois anos para a solução de todas essas questões”, ressaltou Isabelle.

Satisfação– O gerente comercial, Juracy Miranda Longo, elogiou a condução da audiência e se disse surpreso com a rapidez na solução do problema. “Tenho uma filha de um relacionamento extraconjugal e para confirmar que ela era do meu sangue foi pedido um exame de DNA. O resultado foi o que eu já esperava, que realmente ela é minha filha. Quero parabenizar a defensora pública, Isabelle Peixoto e toda equipe pela competência, seriedade e pela presteza que nos deram. Moro em Salvador e fiquei surpreso com a rapidez que foi resolvido o problema e se tivesse que dar nota mil com certeza daria a toda equipe. Pensei que ia demorar um ano para resolver isso, mas o resultado foi relâmpago e fiquei surpreso com a competência e profissionalismo de todos da Defensoria. Agora minha filha terá meu nome no registro dela e a nossa união só tende a crescer cada vez mais”, comemora.

A fisioterapeuta, Alessandra Silva Santos, buscou a Central de Mediação e Conciliação para resolver um conflito com o pai do seu filho. “O pai de meu filho queria dormir mais com ele durante a semana, mas não existia nenhuma comunicação entre a gente e isso acabava em conflito. Durante a primeira audiência foi levantada pela defensora pública Dra Isabelle, a psicóloga Syrlene e pela assistente social Maria das Graças a possibilidade de termos um acompanhamento psicológico e acabamos aceitando. A partir daí a comunicação entre a gente foi melhorando e finalmente entramos em um acordo”, conta.

Alessandra enalteceu o trabalho da Defensoria e disse que ficou surpresa com o formato das mediações e conciliações. “Não conhecia o trabalho da Defensoria e fiquei surpresa com a equipe que é cuidadosa, cautelosa e sempre atenta visando o melhor para o meu filho. A gente acabou conseguindo, através da mediação e apoio da equipe da Defensoria, estabelecer uma comunicação mínima, pois não existia nenhuma comunicação entre a gente. Algumas coisas que foram pontuadas foram benéficas e vejo a mediação e conciliação de forma positiva, pois é colocado sempre o bem estar da criança”, destacou.

“A conciliação foi acolhedora. É um lugar que quando eu penso me traz conforto, acolhimento, um lugar onde posso contar e que tem um envolvimento, preparação e uma preocupação muito grande com a criança. Hoje estou mais em paz, afinal, a criança sempre é a mais afetada por ficar em um fogo cruzado”, concluiu Alessandra.

Para ser usuário dos serviços da Central de Conciliação e Mediação da Defensoria, o cidadão deve procurar a unidade da instituição localizada na Travessa João Francisco da Silveira (Continuação da Avenida Barão de Maruim, 94, Centro, no horário das 8h às 12h, para realização do atendimento e designação do dia para a sessão. As sessões de mediação ocorrem, na maioria dos casos, em menos de 20 dias.

Check Also

PL de André Graça insere “Os Marujos de Chico Surdo” no Calendário Junino

Na sessão de terça-feira,18,  foi apresentado o Projeto de Lei Nº 40/2019, que tem como ...